Make your own free website on Tripod.com

Roberto de Sousa Causo -- Escrever com o Coração

Nesta semana...
Home
A Saga de Tajarê
A Corrida do Rinoceronte
Um Excerto de A Corrida do Rinoceronte
Artigo
Links
Publicações Recentes
Como Escrever
Berserker
Nesta semana
Contos
Pé na Estrada
Projetos Atuais
Sobre o Causo
Resenhas
Contato
Ficha do Autor

Comentando o que aparece na mídia

Confrontado com um dilema -- o fato do último romance de Kazuo Ishiguro ser ficção científica -- o crítico Jerônimo Teixeira, da revista "Veja" (12 de outubro de 2005), sentiu-se compelido a fazer o seguinte comentário: "Parecerá estranho que um autor tão 'refinado' agora invista num gênero popularesco como a ficção científica. Mas foi isso que ocorreu: os personagens centrais de 'Não me Abandone Jamais' [...] são todos clones."

Pois.



Tendo publicado em setembro um dossiê sobre literatura policial, a revista "EntreLivros" recebeu de seus leitores duas cartas que expressam os extremos em torno da idéia de um gênero popular sendo abordado por uma revista literária:



"Tudo bem fazer reportagens sobre romance policial se o objetivo de vocês é trazer leitores para a revista e com isso incentivar a leitura de modo geral. Mas, por favor, continuem a colocar a alta literatura na capa! Uma revista que começou com Thomas Mann tem de continuar na trilha certa."

Márcia R. Campos, São Paulo, SP



"Aprecio o gênero policial desde adolescente e ainda gosto muito, embora hoje seja um leitor com outros interesses. Parabenizo a revista pelo alto nível das colaborações e das pautas. Vocês conseguem agradar sem pedantismo, muito menos superficialidade."

Augusto D. V. Tavares, Maringá, PR


O jornalista Antonio Luiz M. C. Costa, da revista "CartaCapital", é um dos poucos dentro do jornalismo cultural com conhecimento de ficção científica, para poder resenhar o gênero com conhecimento de causa. Na edição de 9 de novembro de 2005 ele resenha com propriedade o livro de M. Elizabeth Ginway, "Ficção Científica Brasileira: Mitos Culturais e Nacionalidade no País do Futuro", afirmando "Mesmo a quem não é fã do gênero, esse olhar estrangeiro diz algo sobre como os nossos receios e esperanças se comparam aos de outros povos e sobre como esses outros nos vêem. Os espelhinhos oferecidos pelos aos nativos pelos viajantes não são inúteis. Talvez até estimulem autores brasileiros a refletir sobre sua própria produção e editores, acadêmicos e leitores a lhes dar mais oportunidades."

Enter supporting content here