Make your own free website on Tripod.com

MUNDO PULP

Home | Miguel Carqueija Redescobre: Regina Sylvia | Western | Perry Rhodan: pulp alemão | H. G. Wells: A Guerra dos Mundos | O Pulp no Brasil-1 | Galeria: Erótico | Carqueija Redescobre: Dick Peter | Novo Pulp | Pulp Francês: Stefan Wul | Miguel Carqueija Redescobre: Hélio do Soveral | Livros sobre Literatura Pulp | Artigo: História da Literatura Pulp | Quem é Lou Carrigan? | Resenhas

Miguel Carqueija Redescobre: Regina Sylvia

-------------------------------------------------------------
"9225", por Regina Sylvia. Edição da Autora, 1989, primeira edição (segunda edição: 1990). Capa de Harmut Oster. Poesia "Aguadeiro Celeste" de Júlio Bueno Neto (do livro "Despertar do Louco") História em quadrinhos "Estrela Cadente" de Flávio Calazans.
-------------------------------------------------------------
Este é um dos livros mais estranhos e originais que eu tenho lido. Ressente-se de, digamos, um amadorismo de estilo que reflete a extrema juventude da autora; mas em nenhum momento se pode afirmar que a história se perca, seja mal conduzida ou não desperte interesse.

A edição é independente e, surpreendentemente, o exemplar que possuo (achado num sebo de rua) é da segunda edição. A técnica narrativa é ousada, sem divisão em capítulos, mas não tudo de uma enfiada como em "Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa, mas em alternâncias de narrativa, ora na terceira pessoa, ora na primeira, com o ponto de vista da protagonista, a soldada 9225.

A autora só explica de forma perfunctória como a humanidade chegou àquela distopia, de um mundo unificado sob a ditadura de Eunuco, um estranho personagem que estabeleceu o mal como ideal de vida: os homens eram maus por natureza, e deviam assumir a sua maldade. O medo passava a ser encarado como um crime, o mundo passava a ser conhecido como "Inferno". O alienígena Pedra Escura é chamado de "extrainfernal".

A história possui uma riqueza que a autora não consegue administrar. Passa uma mensagem de valorização do amor humano, de retorno às fontes, mas com um entremeio extravagante de concepções "hippies" ou contraculturistas e alguma coisa de doutrina espírita kardecista e mística oriental. Fica um texto desequilibrado mas com uma certa desenvoltura, e personagens bem delineados, além da fina ironia do mapa-múndi que supões alguma catástrofe modificadora da configuração dos continentes. Alguns são continentes atômicos: os "Estados Unidos das Usinas Atômicas", a "União das Usinas Atômicas" e a "Índia Atômica". Os demais são o "Primeiro Mundo" (Europa), "Segundo Mundo" (Austrália) e "Terceiro Mundo" (América do Sul e África, unidas num só continente). É um mapa muito engraçado, onde aparecem "Brasílha", "Rio de Fevereiro", "Aires Poluídos", a "Hidrelétrica de Paraguaias Afundadas", o "Rio da Zona" (Amazonas!), o "Cabo sem Esperanças" e por aí afora

Em suma é um livro divertido, polêmico, bizarro, como poucos das letras nacionais. Nas entrelinhas ou abertamente aparecem conceitos da autora que eu julgo questionáveis, mas que não tiram a qualidade da obra -- sinalizadora de uma novelista que merece atenção.

Uma observação: Regina Sylvia consegue criar uma heroína simpática, a Dhyana ou 9225, que de seguidora devotada do extravagante ditador vai aos poucos valorizando coisas como o amor, a amizade, a natureza e -- detalhe importante! -- a maternidade!

Outro detalhe importante: através da invenção apelidada "videograma", a autora previu simplesmente... a internet! Uma façanha que os mais conhecidos autores de FC não conseguiram.

** Miguel Carqueija


Enter supporting content here

literatura pulp ficção pulp arte pulp pulp literature pulp fiction pulp art

Escrever com o Coração -- conheça a página pessoal do escritor Roberto de Sousa Causo