Make your own free website on Tripod.com

MUNDO PULP

Home | Miguel Carqueija Redescobre: Regina Sylvia | Western | Perry Rhodan: pulp alemão | H. G. Wells: A Guerra dos Mundos | O Pulp no Brasil-1 | Galeria: Erótico | Carqueija Redescobre: Dick Peter | Novo Pulp | Pulp Francês: Stefan Wul | Miguel Carqueija Redescobre: Hélio do Soveral | Livros sobre Literatura Pulp | Artigo: História da Literatura Pulp | Quem é Lou Carrigan? | Resenhas

Western

Complete Western Book: 1953
completewestern.jpg
arte de Norman B. Saunders

O western, ou faroeste, é um dos mais antigos e difundidos gêneros de literatura pulp. Começou como ficção contemporânea, freqüentemente travestida de fato -- durante a segunda metade do século XIX -- como "dime novels" que dramatizavam as vidas de famosos pistoleiros ou aventureiros do Oeste Americano. Mas o western prototípico foi "The Virginian" (1902), de Owen Wister. Na era das revistas pulp, o faroeste foi um dos gêneros mais praticados, inclusive com o seu cruzamento com histórias de amor. Popularizado pelo cinema e mais tarde pela televisão, a escrita de westerns também se disseminou, disfarçadamente, por culturas distantes como a espanhola, a italiana, a alemã e até mesmo a brasileira, com escritores dessas nacionalidades escrevendo sob pseudônimos "anglos".
------------------------------------------------------------

hombrebr.jpg
A edição brasileira de "Hombre"

------------------------------------------------------------
"Hombre", Elmore Leonard. Rio de Janeiro: Rocco, 2004 [1961], 174 páginas. Tradução e prefácio de Fernando Monteiro.
------------------------------------------------------------

Esta novela seca e explosiva representa um dos melhores momentos da melhor fase do escritor americano Elmore Leonard, nascido em 1925 e ainda em atividade. Leonard começou escrevendo westerns em 1951, quando o gênero ainda estava no ápice. Suas primeiras histórias foram para revistas como "Argosy", "Ten Story Western", "Dime Western", "Zane Gray" (batizada com o nome de um famoso autor de faroestes) e na famosa slick "Saturday Evening Post". Nos sessenta veio a decadência do gênero -- "Hombre" levou dois anos para ser publicado. Eventualmente, Leonard mudou, a partir de "The Big Bounce" (1970), para a ficção de crime, onde se tornou famoso como livros como "Get Shorty" e "Pronto".
O prefácio de Fernando Monteiro para a edição brasileira de "Hombre" (parte de uma coleção contendo os principais faroestes de Leonard) é apaixonado mas um pouco tortuoso, e a tradução não é muito boa não. A novela em si é excepcional -- não há uma palavra sobrando, todas as situações são marcadas e desenvolvidas com perfeição, explorando o máximo do seu potencial dramático, sem pieguisse ou qualquer excesso emocional ou estilístico.
Quem narra é um dos participantes da aventura, o jovem Carl Allen, de apenas 21 anos, que escreve o relato para corrigir o que viu publicado em um jornal, sobre o evento. A sua inocência e inexperiência ajudam a manter a narrativa no nível exigido pelo autor e o aspecto testemunhal torna a experiência do texto mais próxima do leitor.
John Russell, um mestiço de anglo e mexicano que viveu entre os apaches, viaja na mesma diligência com o Dr. Favor e sua esposa, dois ladrões que desviaram US$ 12 mil dos recursos de uma reserva indígena apache. Os outros passageiros são Allen, Mendez (o cocheiro), e a "garota McLean", que há pouco fora libertada do convívio dos apaches, com quem estivera como prisioneira por dois meses. O último passageiro é o bandido Braden.
A certa altura, Braden se encontra com seus comparsas (dois deles conhecidos de Russell, de outros carnavais), e os bandidos tomam o dinheiro e a água. Russell reage, mata um deles e um dos cavalos com a água. De posse do dinheiro, foge com os outros passageiros, salvo pela Sra. Favor, que fora tomada como refém (ela vinha flertando com Braden). Fugindo pelas colinas os passageiros seguem Russell, que não dá muita bola para eles, que o haviam desprezado por ser meio-índio. Logo descobrem que precisam dele para se locomoverem na região, mas que Russell tem pouco interesse em se arriscar por eles. De qualquer forma, armam uma emboscada para os homens de Braden, que vêm a cavalo. A emboscada não vai bem, o que os força a seguirem para uma mina abandonada, onde haviam esquecido um saco de água. Logo os bandidos aparecem e ameaçam matar a Sra. Favor, se não lhes derem o dinheiro. Mas Russell, que é quem está de posse da grana e que já havia brigado com Favor, se nega. Ele havia obrigado Favor a abandonar o grupo, mas o ladrão de colarinho branco conseguira sozinho chegar até a mina abandonada.
Obviamente Russell se ressente do fato de Favor ter roubado o dinheiro que deveria ir para alimentar os índios famintos da reserva. Quem se debate mais com ele é a garota McLean (objeto de fantasias do narrador) e Mendez. A condenação deles sobre Russell é moral, mas a única ética do jovem mestiço parece ser a da sobrevivência. Alguém precisa descer e tentar resgatar a arrogante, mesquinha e promíscua Senhora Favor, mas o grupo de personagens, cada um deles individualmente e moralmente fracos, elege Russell, a quem afirmam ser inferior a eles, mas a quem enxergam como sendo o único apto para a violência. Russell representa um mistério indecifrável para os brancos: um homem que vive fora do seu sistema moral.
É claro que, nesse sentido, o fato do texto ser narrado em primeira pessoa por um personagem que derradeiramente sabe pouco, pouco demais, está perfeito dentro do projeto do autor. Mesmo com que o estreito ponto de vista narrativo diminua a força da cena do confronto final -- aqui assistida de longe --, em relação à adaptação cinematográfica (dirigida por Martin Ritt em 1967). Carl, o narrador, não consegue compreender Russell, embora aparentemente seja, por sua idade, o mais próximo dele. Diante do desconhecido, os personagens podem apenas projetar a sua moralidade sobre ele, e assim protegerem a sua psique, duplamente ameaçada -- pelo perigo de morte e por sua incapacidade de assumirem o ponto de vista dos índios excluídos. Essa incapacidade é tão grande, tão determinante, que ela se projeta para o contexto -- o branco que não consegue compreender o indígena -- e para a época de sua produção -- no início dos anos sessenta a questão da compreensão do Outro começa a assumir uma posição mais central nas questões literárias.
Russell é caracterizado como uma variante do cowboy clássico caladão de incontáveis filmes e romances, mas neste caso, além de ele ter mais profundidade e atitude do que outros personagens semelhantes, seu estoicismo e laconismo servem ao mistério que o envolve e à sua dupla identidade nativa/branca.
A narrativa de Hombre é excelente e não parece tropeçar em momento algum, e o livro foi considerado um dos 25 melhores westerns já escritos, pela Western Writers of America, e por suas implicações sobre questões como identidade e o isolamento humano dentro dos sistemas morais e econômicos dominantes, deveria ser lido e estudado até por professores de literatura.
Dentro do sentido da novela, não precisamos ir muito longe para estabelecer uma conexão entre o drama do livro, e nossa tendência, como brasileiros, de nos exasperarmos com atos individuais de violência, enquanto aceitamos passivamente os crimes de longo alcance daqueles que desviam o dinheiro de merendas escolares, hospitais e medicamentos, projetos sociais e humanitários. Um dado da universalidade da novela, e da hipocrisia que envolve também a nossa sociedade.

**Roberto de Sousa Causo

elmore-leonard.jpg
Elmore Leonard é de 1925

hombre1.jpg
A edição original de "Hombre"

hombre.jpg

A última edição americana
do clássico western
de Elmore Leonard

hombredvd.jpg
Poul Newman é John Russell

Ficha técnica do filme "Hombre"

Título Original: Hombre

Gênero: Faroeste
Tempo de Duração: 111 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1967
Estúdio: 20th Century Fox / Hombre Productions
Distribuição: 20th Century Fox Film Corporation
Direção: Martin Ritt
Roteiro: Irving Ravetch e Harriet Frank Jr., baseado em livro de Elmore Leonard
Produção: Irving Ravetch e Martin Ritt
Música: David Rose
Fotografia: James Wong Howe
Direção de Arte: Jack Martin Smith e Robert Emmet Smith
Figurino: Donfeld
Edição: Frank Bracht


Elenco
Paul Newman (John Russell)
Fredric March (Dr. Alex Favor)
Richard Boone (Grimes)
Diane Cilento (Jessie)
Cameron Mitchell (Frank Braden)
Barbara Rush (Audra Favor)
Peter Lazer (Billy Lee Blake)
Margaret Blye (Doris Blake)
Martin Balsam (Henry Mendez)
Skip Ward (Steve Early)
David Canary (Lamar Dean)

Veja abaixo uma galeria de revistas pulp de western

Complete Western: 1935
completewestern1935.jpg

Western Story Magazine
westernstory2.gif

Western Action: 1957
westernaction1957.jpg
arte de Norman B. Saunders

Western Story Magazine 1919
ws190905.jpg

Double-Action Western
double_action_western_195003.jpg

Dime Western Magazine
dimewestern.jpeg
Arte de Ernest Chiriacka

Faça você também a crítica de um western moderno ou antigo. Contacte Roberto de Sousa Causo em rscauso@yahoo.com.br

literatura pulp ficção pulp arte pulp pulp literature pulp fiction pulp art

Escrever com o Coração -- conheça a página pessoal do escritor Roberto de Sousa Causo