Make your own free website on Tripod.com

MUNDO PULP

Home | Miguel Carqueija Redescobre: Regina Sylvia | Western | Perry Rhodan: pulp alemão | H. G. Wells: A Guerra dos Mundos | O Pulp no Brasil-1 | Galeria: Erótico | Carqueija Redescobre: Dick Peter | Novo Pulp | Pulp Francês: Stefan Wul | Miguel Carqueija Redescobre: Hélio do Soveral | Livros sobre Literatura Pulp | Artigo: História da Literatura Pulp | Quem é Lou Carrigan? | Resenhas

Miguel Carqueija Redescobre: Hélio do Soveral

Miguel Carqueija redescobre
o trabalho do escritor Hélio do Soveral
-----------------------------------------------------------
DEPARTAMENTO DE POLICIA JUDICIÁRIA
(Hélio do Soveral)

Editora Vecchi, Rio de Janeiro (Rua do Resende, 144), 1962
Código 801. Série Inspetor Marques, N.º 1. Capa de Simonetti
-----------------------------------------------------------

Os livros de bolso da Editora Vecchi eram lançados nas bancas de jornais e distribuídos depois em outros pontos de vendas (livrarias e outros locais) após um mês do lançamento, sendo então substituídos, nas bancas, pelas novas edições. Pelo menos é isto que se informa neste volume, caracterizando-se portanto -- a começar pelo formato de bolso, monetariamente accessível -- o caráter popular dessas edições, ainda que profissionais.
É escassa a literatura policial brasileira e Hélio do Soveral foi sem dúvida um dos seus principais artífices, e até mesmo o seu iniciador, se estiver rigorosamente correta a assertiva editorial da página 7 sobre "o autor": ele teria dado início ao gênero no Brasil em 1933, publicando contos no "suplemento policial" do jornal "A Manhã", passando às novelas de rádio em 1935 e lançando o primeiro romance policial brasileiro -- ou pelo menos, novela -- em 1939: "Mistério em Alto-Mar", pela Cooperativa Cultural Guanabara. Quanto ao presente volume, é apresentado como adaptação do programa de rádio "Teatro de Mistério", da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, que apresentava roteiros de Hélio do Soveral.
Departamento de Polícia Judiciária é o volume inicial da Série Inspetor Marques -- o que se deduz da numeração 801, pois a Vecchi, como a Tecnoprint, utilizava o estranho sistema de uma numeração única para todas as séries, cada uma ocupando um espaço numérico, esta por exemplo partindo do início da nona centena. Já a série de ficção científica (Astronautas) iniciava no 601. E isso já dava a entender carreira curta para as coleções (certamente muitos números ficavam sem preencher).
O livro que vamos avaliar é uma coletânea em torno de um detetive brasileiro de ficção, o Inspetor Mário Marques, diretor do fictício departamento que dá título ao volume.

FALSO ÁLIBI
O diálogo de Hélio do Soveral ressente-se de uma certa afetação, ou falta de naturalidade, o que prejudica o texto, ainda que haja uma certa elegância de estilo. O Inspetor Marques é um personagem bastante neutro: a única esquisitice digna de nota é o seu hábito de falar com o anjo da guarda, a quem ele chama Gabriel.
Soveral esquematiza as suas histórias, em demasia a meu ver. Começa com uma ficha ("dossier") onde constam o nome do caso, local, data, nome do detetive (o Inspetor Marques) e as observações. Isto já quebra um pouco a graça do texto. E este é dividido em "princípio", "meio" (subdividido em vários capítulos numerados) e "fim".
Nesse primeiro conto não senti o clima das verdadeiras histórias de mistério. Soveral revela previamente ao leitor alguns pontos importantes da trama, referente ao assassinato do Professor Atílio Masaccio, fulminado por dois tiros ao abrir a porta de madrugada, na sua residência de luxo no Leblon. As suspeitas recaem sobre Paulo Macedo, um jovem que namorava com Neuza, a esposa coquete da vítima -- com apenas 25 anos, muito mais nova que o marido e apresentada como mulher sedutora. Aqui noto duas coisas: Paulo, ou Paulinho, arranja um falso álibi com um amigo, o Prof. Flávio Cordeiro. E o Inspetor Marques, duvidando desse álibi, o pressiona até que ele revele a verdade.
O ponto fraco é que não se vê uma razão sólida para a atitude do investigador. É estranho basear-se em que os vizinhos não viram uma visita através da janela, como se o interior de uma casa devesse ser devassado.
Com diálogos fracos, a história é apenas mediana e não revela uma figura realmente interessante de detetive de ficção.

O BARBA-AZUL DE SANTANA
O dossiê no.2 dá como local Santana, no Espírito Santo, e a data de onze de março (de que ano?). O caso tem alguns aspectos bisonhos, chegando a ser meio irritante, apesar do português escorreito e do estilo conciso e seguro do autor.
Um homem, Bruno Richard, proprietário de uma fazenda no local mencionado, casou-se quatro vezes em apenas dez anos, e todas as esposas desapareceram sem deixar vestígios. Embora impronunciado pela Justiça, e enfrentando depois a acusação de bigamia, pretende inocência. Adquire fãs e prepara-se para casar pela quinta vez, depois de apresentar os atestados de óbitos das esposas desaparecidas, que teriam morrido as quatro na Amazônia (?), cada uma delas após abandoná-lo em poucos dias (?) e beneficiá-lo com a herança dos seus bens (?). Como se vê é escandalosamente óbvio, portanto o faro do Inspetor Marques, nesse caso específico, nada tem de mais.
Apesar das inverossimilhanças a trama apresenta alguns aspectos interessantes, como um ligeiro toque de humor no personagem do Delegado Osório -- mas só porque ele tem a mania de dizer "com licença da má palavra". O Inspetor Marques não chega a ser muito brilhante. Nessa história comparece a sua assistente Arlete, que tem uma participação importante. A personagem Nilce, a quinta noiva, é interessante e podia ter sido mais bem desenvolvida. O vilão Bruno é mais ridículo que sinistro, e seu diálogo é muito ruim. Foi bem bolada a explicação sobre o desaparecimento dos corpos das vítimas.

A MORTE DO CISNE
Aqui vemos a clássica trama do crime na ópera, com ambientação no imaginário "Teatro Estadual do Rio de Janeiro". O Inspetor Marques comparece para assistir a estréia do "Real Ballet de Stalingrado", que apresenta "O cisne de Tuonela", composição do célebre Sibelius. Temos muita coisa previsível: pelo próprio título já adivinhamos que Ana Petrucínia será assassinada e, muito provavelmente, na própria apresentação do bailado.
Soveral está aqui um pouco melhor que nos contos anteriores, e mais próximo do nível do policial norte-americano. Mas não consegue um senso de humor razoável e nem uma trama muito complexa. Parece que alguns personagens -- como a bailarina Ondine, que permanece uma presença obscura, embora dê a impressão de ser importante -- foram postos para distrair um pouco atenções e suspeitas. O Inspetor Marques representa uma polícia brasileira assaz idealizada, e que hoje, no século XXI, soaria inverossímil. Ele não dá tiradas brilhantes, e seu jeito tranqüilo e neutro só apresenta praticamente duas idiossincrasias: a piteira e o seu hábito de dirigir-se ao anjo da guarda, como nesta frase:
"Complicado, Gabriel! No Real Ballet de Stalingrado todos se amam e todos se casam, mas cada um ama a pessoa com quem não se casou!"

Enter supporting content here

literatura pulp ficção pulp arte pulp pulp literature pulp fiction pulp art

Escrever com o Coração -- conheça a página pessoal do escritor Roberto de Sousa Causo